Arquivos da categoria: reflexões sobre documentação

“o osso é um documento de movimento”

Enquanto estava no período da Formação Intensiva Acompanhada, aconteceu que a documentação teve um novo olhar e entendimento pela minha afinação Pedro. Ouvi estas frases como “o osso é um documento de movimento…” a minha atenção reparou que era de

“o osso é um documento de movimento”

Enquanto estava no período da Formação Intensiva Acompanhada, aconteceu que a documentação teve um novo olhar e entendimento pela minha afinação Pedro. Ouvi estas frases como “o osso é um documento de movimento…” a minha atenção reparou que era de

tudo ao mesmo tempo

não é sobre conseguir ver tudo ao mesmo tempo… também não é sobre enaltecer a capacidade de fazer várias coisas ao mesmo tempo… é atentar no acorde sem esquecer a nota… e considerar a especificidade da vibração conjunta… não é

tudo ao mesmo tempo

não é sobre conseguir ver tudo ao mesmo tempo… também não é sobre enaltecer a capacidade de fazer várias coisas ao mesmo tempo… é atentar no acorde sem esquecer a nota… e considerar a especificidade da vibração conjunta… não é

mergulhar na documentação

são centenas de fotos, centenas de textos,kilometros de fio tecido nos percursos a pé, horas intermináveis de gravações, desenhos, danças—e a sensação que mora no corpo não é de acumulação, de sufoco, de excesso—é de viagem, de caminhada, de encontro—não

mergulhar na documentação

são centenas de fotos, centenas de textos,kilometros de fio tecido nos percursos a pé, horas intermináveis de gravações, desenhos, danças—e a sensação que mora no corpo não é de acumulação, de sufoco, de excesso—é de viagem, de caminhada, de encontro—não

lado-a-lado-mais-que-um…que dança é essa?

só praticando este outro nada que não é ausência de algo, só exercitando sem saber, me parece considerável o lado-a-lado. não se trata de uma disposição geográfica, talvez mais esse ver cego que se move para lá da identificação, que

lado-a-lado-mais-que-um…que dança é essa?

só praticando este outro nada que não é ausência de algo, só exercitando sem saber, me parece considerável o lado-a-lado. não se trata de uma disposição geográfica, talvez mais esse ver cego que se move para lá da identificação, que

O novelo que é não-novelo como o chafariz que agora é não-chafariz

Às vezes torna-se complicado olhar para os objectos, para os sentimentos, para as pessoas. É tudo tão diferente. Às vezes é complexo. Outras vezes é difícil. Outras é tão divertido e simples…é abrir a cabeça e olhar adiante. O que

O novelo que é não-novelo como o chafariz que agora é não-chafariz

Às vezes torna-se complicado olhar para os objectos, para os sentimentos, para as pessoas. É tudo tão diferente. Às vezes é complexo. Outras vezes é difícil. Outras é tão divertido e simples…é abrir a cabeça e olhar adiante. O que

partilhar documentação

estamos agora a tocar a documentação que foi acontecendo ao longo destes  9 meses de criação do pedras 12. dia 5 de julho já se abre o convite a quem queira estar connosco. fotografias, textos, filmes, desenhos, sons descobertas, entusiasmos,

partilhar documentação

estamos agora a tocar a documentação que foi acontecendo ao longo destes  9 meses de criação do pedras 12. dia 5 de julho já se abre o convite a quem queira estar connosco. fotografias, textos, filmes, desenhos, sons descobertas, entusiasmos,

corpo- não há encontro sem deformação

se eu puder, enquanto escrevo, não me fixar num conceito, não me armadilhar na vaidade— não me ofuscar na efervescência de ver provisoriamente uma ou outra linha de movimento que constrói possibilidades de vivermos juntos—-se eu puder não me cristalizar

corpo- não há encontro sem deformação

se eu puder, enquanto escrevo, não me fixar num conceito, não me armadilhar na vaidade— não me ofuscar na efervescência de ver provisoriamente uma ou outra linha de movimento que constrói possibilidades de vivermos juntos—-se eu puder não me cristalizar