Continuar

Continuar para mim é uma prática de vida…

Como tenho experienciado na frase do filósofo que trouxe Maria Filomena Molder: “Primeiro capítulo, continuar, segundo capítulo, começar” Alain, Minerve ou de La Sagesse – é preciso continuar para poder começar… é preciso ter no intervalo das mãos a sabedoria de continuar perguntando para que delas se solte a formulação da pergunta.

O trabalho com pessoas e os lugares continua para que possa iniciar-se, impregnar-se de visibilidade e poder ter um nome e linhas que o explicam enquanto projecto.

Porque como qualquer projecto a pergunta é: se ainda não existe como pode ter aparecido? É evidente que os projectos só podem começar se antes continuaram. É evidente que as coisas só podem aparecer se antes se insistiu na pergunta da sua germinação. Não uma pergunta de porquê, ou para quê, mas a pergunta para nada que faz a semente brotar da terra…

Pensar não pode ser só o resultado da aplicação de um design industrializado de máxima eficácia. Se para ter comida em abundância se podem produzir frangos que crescem em 1/3 do tempo do seu desenvolvimento normal apenas com cartilagens fáceis de tratar enquanto matéria residual, para alicerçar uma reflexão de vida não se pode só fomentar pensamentos para obter algo, pensamentos que introduzimos no mecanismo de pensar de que fomos ensinados  e que produzem decorrências de si próprios, com cartilagens dóceis de esmagar e re-introduzir no processo de pensamento que se fecha sobre si próprio.

Pensar para nada, estar para nada, mexer para nada, afinado o gesto no gesto, ouvindo o feed back que essa afinação me traz, permite pensar e continuar a pensar, perguntar e continuar a perguntar. Pode-se então pensar e perguntar na afinação da pulsação da vida que pergunta as coisas sem palavras, pergunta as palavras sem palavras, possibilitando encontrar as palavras justas que trazem ao visível o que já lá estava, como jardinando a semente se potencia que ela encontre as condições justas para trazer a árvore que já lá estava.

Continuar a perguntar o que é estar com pessoas e lugares é continuar a fazer o Pedras, depois de feito. É continuar a perguntar sem palavras potenciando que ele exista por entre as palavras que o permitem viabilizar enquanto projecto.

Continuemos a fazer o Pedras!

margarida

Sobre pedras2012

O Pedras d'Água é uma iniciativa do c-e-m centro em movimento (Lisboa -Portugal). Esta plataforma on line é um espaço para compartilhar a trajetória de todo o Programa Pedras d'Água '12, transitando entre documentações, imagens, escritos e outras formas que contemplamos para irmos levantando voo até planar sobre as criações e comunicações artísticas e outros acontecimentos que tomam corpo no Festival Pedras d'Água. em Julho próximo.