de tanto as células do coração embrionário baterem junto ao tubo digestivo acontece o fígado, e não só

Pertinência de escrever no blog? Aparecer texto que considere o leitor. O que é escrever neste espaço, na pertinência de escrever nele, na consideração do espaço onde cada texto escrito é o texto que aqui vai estar? A emergência é tão forte. Como o Pedras’12, o que se faz , que está a ser, vai sendo? Vem da emergência da Rota, das práticas… A D. Antónia amanhã quer fazer um enrolamento, dar cambalhotas no centro de dia, sra. dos seus 70 anos, vibrou ao fazer espirais no chão connosco, surgiram entre nós, aglutinou-se entre nós esta vontade de estar no chão, naquele mesmo espaço. Qual a emergência da música que saltava da repercussão da caixa de fruta na travessa de cotovelo, com as palavras morabeza? A emergência do filipe em dizer “então pá!”. A emergência da dança da Diana no mercado da ribeira ao lado da Fernanda e da maria de Fátima, do bom dia à bela, e da vontade sorridente em entregar a fanzine à d. cacilda. O fado do Cézar no café 13, e a companhia da Cidália nas pausas do trabalho no 47 da rua do carvalho. A emergência de entrar no café do sr. João e cantar saias, abraçar a rosa e teatralizar com a tânia no intendente. Dançar na achada, acarinhar as pedras com os pulos dos pequenos e graúdos no saltar à corda da rua da mouraria. Emergência de preencher a casa da d. piedade de beijinhos e vê-la da janela depois de um dia só, a dizer adeus a crianças que brincam no largo que se deformou nestes últimos dias até às vísceras. A emergência de uma história que se aglomera, atropela, ergue-se cai e suspende a realidade das crianças do 4º ano da escola da madalena e das crianças em forma adulta da rota na rua. Os sons da rádio, a dança invisível que invadem silenciosamente como a nuvem da clarice lispector “vi uma nuvem pequena coitada da minhoca acho que ela não viu.” E tantas outras emergências… Qual a emergência e a pertinência?
Vejo olhos que procuram. Procuram posições, identificações. Não me assusto em que me identifiquem nisto ou naquilo, porque serão sempre isto e aquilo. O que me assusta é a cristalização do olhar, na vontade de perpetuar um gesto num nome, uma pessoa num grupo, um ser num conjunto. Sem ver a emergência de acontecer, volátil em cada momento.

pedro

Sobre pedras2012

O Pedras d'Água é uma iniciativa do c-e-m centro em movimento (Lisboa -Portugal). Esta plataforma on line é um espaço para compartilhar a trajetória de todo o Programa Pedras d'Água '12, transitando entre documentações, imagens, escritos e outras formas que contemplamos para irmos levantando voo até planar sobre as criações e comunicações artísticas e outros acontecimentos que tomam corpo no Festival Pedras d'Água. em Julho próximo.