a rádio ao vivo teve que sair da barbuda-largo da severa, para a galeria na rua da boavista

já há tempo que me parece estar latente uma grande vontade de direccionar as hostilidades para um alvo específico. já há tempo que as pessoas que compõem a barbuda no largo da severa pareciam mesmo os indicados para serem violentados! ás tantas chegámos ao ponto de ter temporal com pedrada e tudo mesmo com crianças por perto—então?

no fim de semana passado rebentou o confronto. não vou contar a história toda que tem vários requintes de malvadez mas não posso não trazer aqui à reflexão a capacidade que vamos tendo (a solo ou em “acorde”) de potenciar determinados movimentos e fazer mirrar outros.

de facto na quarta feira estivemos no largo com um bando de criançada mais a professora elda mais a avó do pedro que mora mais para o castelo—a escrever, a brincar, a pendurar com molas documentação—e não tremeu nem uma folhinha de má onda—parece-me que a atmosfera que se cria neste trabalho não fortalece a violência—também me parece que o trabalho da barbuda não apela à violência mas não têm sido inocentes os recortes que foram surgindo ao longo deste 3 anos de “grandes projectos” para a mouraria—coisas como visitas guiadas que passam à porta da antiga padaria e dizem baixinho cuidado que estes são anarquistas e podem ser perigosos—-parece-me que neste projectos de engenharia higiénica os habitantes e atravessadores da mouraria oriundos de outras culturas são– ora alvo de ideias muito integradoras que “toleram” a diferença e reforçam o folclore do mosaico cultural—ora criaturas não bem vindas que só lixam a imagem do bairro—-mas são sempre alvos. parece-me que os habitantes nascidos neste país não passam das categorias de  idosos, jovens, crianças, desempregados, comerciantes a quem podemos aplicar fórmulas de desenvolvimento para a qualidade de vida—e são sempre alvos—parece-me que os maus da fita do bairro(toxicodependentes, dealers, prostitutas ou sem abrigo) são a bandeira de limpeza por excelência—alvos de estratégias de salvação—reforça-se e empowerasse o orgulho local, o peito feito, o pitoresco (então no dia da vinda do cavaco até vieram lavadeiras para o tanque do largo da rosa—por favor—)—está no ar o cansaço das obras que revolvem tudo sem atenção aos “enquantos” empilhando pedras sem deixar passagem, abrindo buracos sem sinalização, amontoando terra às portas das casas—mas depois temos uns bancos ali no largo da severa que são uma maravilha! colocados frente a frente junto a árvores já um bocado mortas à nascença, dá vontade de por uma rede no meio para jogar badminton—agora se alguém põe um pé no banco é logo gritaria—o bairro sem autoestima é finalmente alvo de um programa de embelezamento e, mesmo que os velhotes continuem trancados em casas cada vez mais podres(até porque o tremer das máquinas das obras foi reforçando as brechas já existentes) temos é que andar agradecidos por se lembrarem de nós—

o confronto entre alguns habitantes da mouraria e as pessoas da barbuda faz infelizmente parte deste filme de alvomania—reabilitação que se centra na construção de uma nova cara para a mouraria—acompanhar o interior não é uma prioridade!quem olha para o susto de quem lá estava  durante o confronto? para as feridas das pedradas? com miudos ali e tudo—

bom, a movimento do pedras12(outra especie de pedras) continua por onde vai continuando—sempre—mas a rádio ao vivo mudou-se de mala aviada para a galeria da boavista e a possibilidade  de termos quem habita a mouraria e intendente a partilhar esta experiência reduz-se aos audaciosos que se deslocam(que podem deslocar-se) lisboa fora, atravessar o cais do sodré e desaguar aqui nesta rua logo a seguir ao largo de são paulo—é triste——–e parece-me que a tristeza é um movimento que reduz bastante o pulsar da vida—

sofia

Sobre pedras2012

O Pedras d'Água é uma iniciativa do c-e-m centro em movimento (Lisboa -Portugal). Esta plataforma on line é um espaço para compartilhar a trajetória de todo o Programa Pedras d'Água '12, transitando entre documentações, imagens, escritos e outras formas que contemplamos para irmos levantando voo até planar sobre as criações e comunicações artísticas e outros acontecimentos que tomam corpo no Festival Pedras d'Água. em Julho próximo.