ROTA

Ligados à terra, de um chão ao outro que é o mesmo chão na sua diversidade de pedras, asfalto, buracos, lixo, ervas, flores. Suporte de vida que se amontoa e dispersa, em caminhada permanente, mesmo que no ajuntar estejamos sentados. O CAMINHO apercebe-se do seu volume, peso, temperatura. Os corpos, CORPO atravessa cutícula a cutícula de suor que vai compondo o ar da ROTA, que se desenha na cor da minha pele, na dor do meu tendão, na difusão do que chamo tempo e do que chamo espaço. Ergo uma caixa de fruta, que está vazia e cheia, é banco, mesa, livraria e lixeira. A ROTA não é rota, é A ROTA, é O CORPO. Existe rodopiante, em linhas de sentido não metido, mas aparecido. Quem se rende em tocar na ROTA, sente os cheiros do calor da pedra mármore, os sons preenchidos dos azuis-cinzentos-amarelos do céu, os cantares de máquinas e vozes humanas. As formigas! Empurrar, puxar, saltar, levar, estender, comer, sujar, limpar, ajuntar, espalhar, tricotar, ler, escrever, cantar, dançar viver viver viver…

pedro

Sobre pedras2012

O Pedras d'Água é uma iniciativa do c-e-m centro em movimento (Lisboa -Portugal). Esta plataforma on line é um espaço para compartilhar a trajetória de todo o Programa Pedras d'Água '12, transitando entre documentações, imagens, escritos e outras formas que contemplamos para irmos levantando voo até planar sobre as criações e comunicações artísticas e outros acontecimentos que tomam corpo no Festival Pedras d'Água. em Julho próximo.