Dúvida

Indizível, Palavras                                                                                         abrir a boca sentir o ar a entrar, refrescar secar o céu                    da boca…                o tubo digestivo, pulmões                                     anús,                                                 “pode ter a certeza que todos nós morremos senhor zé”                                     sorriu eu, a mulher loira de camisa flores vermelhas, o homem que isto diz                                      certeza que no fundo nos consola em tanta coisa incerta na vida                                  olhar para o corpo morto no caixão, as rendas que ainda o tapam, um véu em esqueleto ou múmia seca                       com brincos                                      Catarina Elvira                          um esqueleto de uma jovem entre os 16-18 anos de idade                                           vai agora para um caixote,                                                       se já não está num depósito fechado, o brinco                                               talvez vá para um museu,               esteve cerca de 200 anos sepultada no Largo da Rosa, por onde passo tantas vezes para ir cortar batatas, ou cantar no Coro da Rosa.
Duvidar do Eu                                          risco de cair…                           duvidas cais                                   ai a morte, m, c,                                ai, sou isto                     morres por não dizeres                                          eu não duvido do Eu                                    Eu duvido                         Certeza Socrática                                                                                                                    Medo                       Absolutismo                               Ideológico                   Ai ai ai,                     a certeza que morremos acalma a incerteza da vida                       paixão                   Eu não sou este                                              Não reconhecimento                            deformação ignorada, arrogância em destruir-se, arruinar a deformação,                          o ser-se, projetar a destruição, a morte ao desconhecido, catarata do Niágara da Dúvida                              vómito floreado em ideologias           desejo da certeza falsa que morremos                         não existimos                       palavras                       existimos sem salvação                          incertos.

Pedro às 15h no Martim Moniz

Sobre pedras2012

O Pedras d'Água é uma iniciativa do c-e-m centro em movimento (Lisboa -Portugal). Esta plataforma on line é um espaço para compartilhar a trajetória de todo o Programa Pedras d'Água '12, transitando entre documentações, imagens, escritos e outras formas que contemplamos para irmos levantando voo até planar sobre as criações e comunicações artísticas e outros acontecimentos que tomam corpo no Festival Pedras d'Água. em Julho próximo.