O encontro do Sr. João com aquilo que vinha comigo

Aprendo a permitir-me estar onde estou, e de tanto permanecer, insistir em estar, percebo que ao mesmo tempo que estou num lugar, há lugares que estão em mim.

Vou considerando que quando a Rosa da Lavandaria me vê, vê uma pessoa que eu nem conheço, e essa pessoa que ela vê e eu não conheço sou eu mesmo só que em outro lugar que não é fora, é mesmo outro lugar diferente dentro daquele lugar que conheço como eu. Insisto em acreditar que aquele que ela vê é um lugar físico de mim e não um enquadramento da sua subjetividade. Permito-me estar por onde conheço-me e ao mesmo tempo estar em lugares como esse por onde a Rosa vê-me que pouco conheço ou até onde nem me reconheço.

Mesmo estando em um lugar, assim sem dar um passo e muito quieto, continuo em trânsito.

Estar abre em mim essa relação mais estendida, percebo também que esses outros lugares que estão comigo não são simplesmente alter-egos, são lugares de criação, que se criaram pelo trabalho de estar. São lugares de relação. Mesmo a Rosa ao olhar para mim vendo-me em um lugar que eu não conheço, não deixa de se dirigir a mim e eu não me impossibilito de estar com ela mesmo o encontro acontecendo num lugar que não conheço. Não conheço o lugar de mim que ela encontra para estar comigo, mas não me desimplico do encontro, deixo-me estar.

Esses dias fui levar um fanzine ao Sr. João do café que fica próximo ao chafariz do Bemformoso, fui já sabendo que ele não me reconheceria, pois não sou eu quem sempre passa por lá na rota toda sexta-feira, eu só estive lá uma vez ano passado para beber um cafezinho. Entrei dizendo: Bom dia, Sr. João, vim cá trazer uns fanzines para ficar no seu café! Ele franze a testa e responde desconfiado: Não percebo! Sigo dizendo: eu estou por cá toda sexta-feira com aquelas pessoas que andam juntas pela rua… Ele faz um sinal de afirmação com cabeça e o semblante vai abrindo: ah sim, e vão passar por cá hoje que é sexta? Digo a ele abrindo o fanzine: Passamos sim, mas ao meio da tarde, temos aqui no mapa os trajetos e os pontos por onde passaremos hoje! Ele interessado diz: Tá bem, então pode deixar aqui esses papelitos, muito obrigado, ah manda um beijinho a Sofia e pergunta ao Alex quando vou ver as fotos que ele tirou sexta-feira passada! A conversa se abre depois de uma afinação de algo a mais entre mim e ele que dizia que não nos conhecíamos. Eu digo adeus e sigo para a rota tendo a certeza que o Sr. João não encontrava-me somente numa linha que saia de mim e sem desvio voltava para ele, dirigia-se, olhando a mim, a outros lugares onde o encontro acontecia.

 

Lyncoln

Sobre pedras2012

O Pedras d'Água é uma iniciativa do c-e-m centro em movimento (Lisboa -Portugal). Esta plataforma on line é um espaço para compartilhar a trajetória de todo o Programa Pedras d'Água '12, transitando entre documentações, imagens, escritos e outras formas que contemplamos para irmos levantando voo até planar sobre as criações e comunicações artísticas e outros acontecimentos que tomam corpo no Festival Pedras d'Água. em Julho próximo.