Histórias ambulantes penduradas instantaneamente num cordel


Quando entro na Escola da Madalena, entro para trabalhar. E venho de outros lugares, com muitas vontades no corpo que nasceram em outras ambiências, sempre ansioso para afinar a transição dos meus interesses para aquele contexto. Olho para o Mário tão pequeno e magro e ansioso, imagino os lugares por onde ele passou essa manhã, as palavras que já ouviu, o que sonhou e onde queria estar! Vou atravessando universos e fazendo possível trabalhar em criação dentro de uma escola, reflito sobre o interesse de uma criança em passar horas dentro de uma sala quadrada a maior parte do tempo sentada…
Há muitas histórias sendo contadas ao mesmo tempo… muitos corpo circulando por ali.
Considero que mais do que uma escola estou em um lugar onde a criação se amplia imensamente. Considero a criação a partir de um corpo que transita entre diferentes lugares, atravessando-os sem deixar de criar, passo da minha casa à rua, da rua para o estúdio, do estúdio para a escola, e por onde circulo continuo não separando o corpo em corpo que cria e corpo que não cria.
Assim vou considerando que a criança que está comigo não está em uma aula, não sou professor, vou permitindo estar em uma escola não para ensinar, não para ter alunos, não para isso ou para aquilo. Não trabalho para a escola, trabalho na escola, Desconfio que na escola há muito mais que alunos, professores, tarefas, ensinamentos, e outros lugares a serem preenchidos pelas presenças que lá estão. Uma presença não é para preencher. Não vou a escola só por dever!
Por isso trabalho na escola. Não acho que deve haver outro lugar para a criação, a criação se cria no lugar onde se está, ou diria que a criação não tem lugar, pelo menos não um lugar marcado. Não levo nenhuma criança pela mão, mas circulo por lugares por onde elas estão e por outros que elas não estão.
(Nesses trânsitos tem nascido as histórias ambulantes. Como um mensageiro levo de um lugar para o outro – rua-escola – uma história que se faz numa foto, não separando universos e sim criando trânsitos que os diferenciam e aproximam).

Lyncoln

Sobre pedras2012

O Pedras d'Água é uma iniciativa do c-e-m centro em movimento (Lisboa -Portugal). Esta plataforma on line é um espaço para compartilhar a trajetória de todo o Programa Pedras d'Água '12, transitando entre documentações, imagens, escritos e outras formas que contemplamos para irmos levantando voo até planar sobre as criações e comunicações artísticas e outros acontecimentos que tomam corpo no Festival Pedras d'Água. em Julho próximo.