Como distinguir as coisas que sim das outras que não?

Esta pergunta assoma regularmente ao que faço, ao que considero e escolho com base nesta consideração. O desafio desta pergunta entendo-o no lugar que ela se faz entender em mim, na parte especializada em perceber porque é que sim e porque é que não. O lugar que sabe mesmo, que sabe que não sabe em primeiro lugar – e não o lugar onde sempre soube tudo e já sei qual a decisão acertada. Este lugar eu já conheço bem – usei-o para fazer testes na escola, para responder às pessoas com base no conhecimentos que represento ou quando preciso de resolver um assunto. Ao contrário,o lugar que sabe que não sabe é descarado, bruto, vê o que vê e não o que julga que está a ver… por isso ri-se e aponta com a falta de cuidado de quem não tem susceptibilidades a ferir ou evitar aleijar…
Como é que se sabe quais são as coisas que sim e as coisas que não? Acho que pela mesma maneira que se sabe quando se quer estar num lugar e noutro não, ao pé de uma pessoa e não ao pé de outra, trabalhando uma matéria e não outra. A garantia que se sabe, é que não se sabe porquê… os olhos que vêem o que estão a ver não são fisicamente os mesmos que sabem justificar o que vêem… o cérebro que pensa o que está a pensar não é fisicamente o mesmo que sabe justificar o que pensa. – Não estou a falar de intuição… estou a falar de um lugar que tem uma testemunha que estando lá nunca vai dizer o que vê, não pela ausência de possibilidade de o fazer, mas porque essa é a sua qualidade de testemunha.
Quando sei porque é que faço as coisas, sei que perco o descaramento de as fazer realmente. Perco a confiança de apontar o que precisa ser feito. Quando sei porque faço o que faço, sei (nesse outro lugar que sabe que não sabe) que não faço. Por isso confio na efectividade da acção. Quando me encontro na turbulência da acção evidenciam-se as coisas que sim e as outras que não. Então posso fazer a escolha das coisas que sim, e não podendo justificar o que faço, (os braços que fazem não são fisicamente os mesmos braços que sabem o que fazem) posso pertinentemente fazê-lo.
O lugar que distingue as coisas que sim das coisas que não, é o lugar onde posso.
margarida

Sobre pedras2012

O Pedras d'Água é uma iniciativa do c-e-m centro em movimento (Lisboa -Portugal). Esta plataforma on line é um espaço para compartilhar a trajetória de todo o Programa Pedras d'Água '12, transitando entre documentações, imagens, escritos e outras formas que contemplamos para irmos levantando voo até planar sobre as criações e comunicações artísticas e outros acontecimentos que tomam corpo no Festival Pedras d'Água. em Julho próximo.