Violência

Violência… não é um assunto que me atravessa frequentemente, acho que não me encontro com ela. Não está no meu adn, não a chamo nem sou chamada por ela… mas de vez em quando visita-me o princípio da violência… acho que entendo violência como a consciência da não escuta… a ação de negar por vontade a compreensão na afinação das coisas. Violência é o dique não é a não escuta por si só… é não escutar e saber que não se escuta… é falar com a consciência que o que se está a dizer não é de todo o que se está a dizer… não é não saber o que se está a dizer ou saber o que se está a dizer… violência é o saber que quer saber mais que a sabedoria… é querer pôr ao serviço o que se sabe pelo domínio das forças que me permitiram sabê-lo.

Violência é escravizar a sabedoria manejando o que sei. Posso falar do que for pela violência… posso até falar de paz e usar palavras pacíficas e pacificadoras… posso fazer tudo a partir do lugar da violência menos deixar de ser violento.

O lugar da violência não é o do apartamento das coisas, da falta de ligação. É querer domesticar as ligações que vejo quando me ligo. Violento é querer ser maior do que eu no sentido absoluto, é quando deixo de ver a linha invisível sobre a qual caminha quem sabe que a pulsação está entre ser e querer ser.

Violento é aquele que vê o lento, mas lhe amputa a velocidade da lentidão… a sua indomabilidade que a sustém, lenta.

Deixar-me deformar pela violência é ser atravessada pela força controladora… é encontrar-me a pulsar na constante configuração e reconfiguração… exige-me a continuidade por hiatos, o intervalo dentro da continuidade do intervalo. Tem a elasticidade que tem, assim como a pele só recupera a mesma ferida um certo n.º de vezes, também ela trabalhando o intervalo dentro do próprio intervalo.

margarida

Sobre pedras2012

O Pedras d'Água é uma iniciativa do c-e-m centro em movimento (Lisboa -Portugal). Esta plataforma on line é um espaço para compartilhar a trajetória de todo o Programa Pedras d'Água '12, transitando entre documentações, imagens, escritos e outras formas que contemplamos para irmos levantando voo até planar sobre as criações e comunicações artísticas e outros acontecimentos que tomam corpo no Festival Pedras d'Água. em Julho próximo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s