mas o que é que não se pode?

estou na 7ªrota.uma escavadora miniatura, tipo bob o construtor, passa em marcha atrás mesmo rente às muletas do homem, atravessa a calçada portuguesa e vai buscar areia ao monte frente à guitarra da severa. tudo é possível por aqui. é canos, é entulho, é venda duma branquinha, é gente velha a fazer parcour por entre as obras, é a nita aos gritos que vai matar a gaja, é o outro no banco a dormitar, é a carrinha da polícia a cruzar frente ao café, é o outro a lavar a rua com a mangueira com tanta pressão que salpica a roupa de quem passa, lá vem outro em marcha atrás e só olha para um lado, ali escavam-se buracões e encontram-se achados arqueológicos enquanto se montam esgotos, mais à frente as pedras todas da rua marquês de ponte de lima ajuntam-se numa montanha por de baixo das janelas das casinhotas. é o beco dos 3 engenhos, nome apropriado. as pedras já cá estão há 2 meses e já se fizeram paisagem mas não se desfazem do absurdo. lá para cima os vigias do tráfego à conversa, à espera do que estão à espera, falam alto e riem, fazem parte da esquina como as pedras fazem parte deste beco dos 3 engenhos. passa um barrigudo em grande conversa, caminhando sem problema por cima dos cubos de granito como se fossem folhas. vou pedir ao presidente um banquinho para si. não é preciso, gosto do chão, obrigada.a roupa suave a secar ao sol com as bordas da camisa mesmo a resvalar nas pedras. a porta verde do corrimão desagua directa na montanha de pedras. ó mulher larga-me da mão. isto se um dia há aqui uma urgência não passa ambulância nenhuma. o equilíbrio dos cubos de granito é curioso. nenhum parece mesmo assente. estão todos em trânsito, esquinas com esquinas entremeados por pacotes de batatas e cagalhotos de cão, tipo argamassa.ali atrás o outro inventou um estrado com um colchão e vai rezando virado a meca ou dormitando ao sol. ali só vejo uma cabeça dentro de um buraco. a vizinha afónica quer contar-me uma história, diz que quando se entra no buraco ganha-se a tendência para o buraco, mesmo que se venha à tona a tendência é esquecer o que é cima ou baixo e mergulhar outra vez.é mesmo forte ouvir falar de buracos com a mouraria toda esburacada. agora aquele não consegue entrar em casa. despejaram-lhe areia á frente da porta. mas o que é que não se pode?viver aqui é um desporto radical. ele conta a história da mola. levei 6 meses de mola na costela. minha senhora esse colchão tem uma mola que me está a arruinar a costela, você tem que mudar o colchão. tenho uma mancha que dura até hoje. dona maria por amor de deus muda o colchão, mas ela não mudava. um dia chego a casa e ela tinha-me mudado o colchão. e agora fico procurando a mola. a costela acostumou com a mola.coisa ruim também acostuma. nessa altura bebia mais cachaça com o meu amigo, ó dona maria o que fez com meu colchão? então você queria que trocasse! mas isso foi em janeiro e já estamos em agosto. agora a malvada quer a muleta que me emprestou. mas eu não vou dar. sigo viagem mais para a frente e o caos continua.se fecho os olhos os acontecimentos ganham mais espaço entre si. cada 5 horas de rota parecem 5 meses. pode dançar, pode dormir, pode roubar, pode empurrar, pode comer, pode escrever…o que é que não pode? aquela já levava porrada na barriga da mãe. rodopio. espiral para fora espiral para dentro. então a senhora está entalada aí na porta? já é costume, a porta incha no inverno e depois não consigo abri-la. mas você parece muito bem disposta aí meio dentro meio fora. não me faça rir que eu perco a força, olha já abriu. quer ajuda com os sacos?eu quero ajuda é com o dia.e você entala-se todos os dias? é só às vezes quando não apanho o jeito. sim senhora. vou andando que eles já desceram.
sofia

Sobre pedras2012

O Pedras d'Água é uma iniciativa do c-e-m centro em movimento (Lisboa -Portugal). Esta plataforma on line é um espaço para compartilhar a trajetória de todo o Programa Pedras d'Água '12, transitando entre documentações, imagens, escritos e outras formas que contemplamos para irmos levantando voo até planar sobre as criações e comunicações artísticas e outros acontecimentos que tomam corpo no Festival Pedras d'Água. em Julho próximo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s